logo


O Sentido do Trabalho

Prezado,

Por enquanto nenhuma novidade sobre o Detran e os novos sistemas, mas no último domingo comemoramos o dia do trabalho e gostaria de parabenizá-lo pelo seu trabalho, sua iniciativa empreendedora e pelo serviço útil que presta a tantas pessoas e aos empregos que você gera e são tão importantes para tantas pessoas e famílias.

Por conta disso, quero compartilhar com você um texto que escrevi para o dia de formatura da minha pós-graduação em Administração. Fala sobre o sentido do trabalho. Espero que sirva para estimular e provocar a sua reflexão sobre o trabalho e a vida como um todo.

O Sentido do Trabalho

Todos nos desejamos encontrar significado mais profundo em nossas atividades profissionais.

As recompensas financeiras já não são as únicas e, para muitas pessoas, já nem são as mais importantes. Tanto é verdade que, para a pergunta “Se você tivesse muito dinheiro para viver confortavelmente o resto de sua vida sem trabalhar, o que você faria em relação ao seu trabalho?”; a maioria das pessoas responderia “trabalharia mesmo assim”.

O trabalho representa um valor importante nas sociedades contemporâneas, exercendo uma influência considerável sobre a motivação dos trabalhadores, assim como sua satisfação e produtividade.

Compreender os sentidos do trabalho hoje é um grande desafio para os administradores tendo em vista as múltiplas transformações que têm atingido as organizações e os “mundos do trabalho”.

Uma recente pesquisa de Psicologia da HEC – em Montreal – A professora Estelle Morin, demonstra que o sentido no trabalho depende de seis características combinadas.

Em primeiro lugar, o trabalho deve ser feito de maneira eficiente e gerar resultados, pois ninguém gosta de plantar sem colher.

Depois, deve ser intrinsecamente satisfatório, isto é, corresponder à personalidade, valores e talentos das pessoas, ou, em outras palavras, a pessoa tem que gostar do que faz.

Um terceiro fator é que o trabalho tem que ser moralmente aceitável e socialmente responsável, o que significa dar uma contribuição a sociedade e cooperar com os mais nobres ideais humanos. Um exemplo disso são as políticas de sustentabilidade e de proteção ao trabalho infantil.

Uma quarta característica do trabalho com sentido é que ele deve ser uma fonte de experiências de relações satisfatórias, e, nesse sentido o trabalho aproxima pessoas e cria parcerias existenciais.

A quinta característica diz respeito às garantias de segurança e autonomia, pois com o trabalho “ganhamos a vida”: dinheiro para viver, respeito, admiração e, acima de tudo, dignidade.

Finalmente, a sexta característica de um trabalho com sentido é que ele nos mantém ocupados, enche a nossa agenda, organiza o nosso tempo – dias, meses, anos – estrutura e organiza a vida diária e a historia pessoal.

Além dessas seis características apontadas pela professora Estelle Morin, creio que o sentido do trabalho está associado a dois outros fatores.

Primeiro com as possibilidades de auto-desenvolvimento, ou como disse o poeta Vinícius de Moraes, “o operário faz a coisa e a coisa faz o operário”.

Muitos não se dão conta de que estão vivendo, caem na rotina do dia-a-dia e a vida vai passando e fazendo assim a sua historia. Como diz o cantor e poeta Zeca Pagodinho “deixa a vida me levar, vida leva eu”. Pena que quando se dão conta, a vida se foi e não há mais como recuperar o tempo vivido.

Mas acredito que a característica mais essencial do sentido do trabalho é o sentido de missão.

Eu acredito que vivemos num mundo em desordem. Um caos. Ai estão os grandes movimentos econômicos que não me deixam mentir. Inúmeras injustiças de ordem social e econômica que produzem uma grande insatisfação e até morte de muitos cidadãos sem chance de competir. Seres humanos que não tem as mesmas chances de sobreviver e se desenvolver por inúmeras razões que a história nos explica. Dependem em sua grande maioria da generosidade e bondade de seus governantes e de organizações humanitárias internacionais para lhes dar alguma esperança de mudança.

Assim, creio que somos instrumentos para por em ordem um mundo em desordem. Somos cooperadores de Deus para por ordem nas coisas.

A maioria das pessoas realizadas em sua atividade profissional acredita não apenas que faz o que Deus lhes deu para fazer, como também no fato de que os frutos de tal atividade estão associados a valores intangíveis. Acreditam que além de fazerem um bem para si e para suas famílias, o fazem também ao mundo ao seu redor.

Para exemplificar melhor o que quero dizer, lembro o filme de Ridley Scott, “Gladiador” onde o personagem Maximus, interpretado pelo ator Russell Crowe, ao convocar seus soldados para a batalha, associa duas figuras imprescindíveis ao trabalho que contém grande significado: o céu e a eternidade.

Maximus diz a sua tropa perfilada algo mais ou menos assim: “Caso algum dos senhores se perceba cavalgando em uma serena campina no mais belo por do sol, não se assuste, você morreu e está no Elíseos”, em seguida, Maximus afirma categoricamente: “O que fazemos aqui ecoa na eternidade”. Evidentemente o que ele quis dizer a seus soldados era que “aquele que morre fazendo o que deve ser feito não morre em vão”

Forte Abraço!

Informe-se através dos nossos sites


Divulgue através das redes sociais